O entorno do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estuda propor algumas mudanças no setor público através de uma reforma administrativa que, no entanto, deve ser bem diferente daquela defendida pelo atual governo e que é duramente criticada pelo funcionalismo público. O novo governo também já estuda conceder um reajuste salarial para o setor já no próximo ano.

Reforma Administrativa

A equipe de transição estuda implementar um sistema de avaliação dos servidores públicos federais, ao alcance dos próprios cidadãos, como um dos pilares de sua reforma administrativa. Outros pontos que fazem parte da proposta são o aprofundamento da transição digital, a modernização do formato dos concursos públicos e o combate ao assédio moral e sexual na administração federal.

Os assessores do PT querem, por exemplo, ampliar a política de cotas para minorias, como indígenas dentro do setor público.

A alteração das estruturas de carreira também é defendida por alguns assessores petistas. A ideia, neste caso, é aumentar a distância entre o salário inicial e o término das carreiras — a avaliação é de que várias categorias levam poucos anos para atingirem o topo das carreiras, o que não gera incentivos de produtividade e qualificação. Não está nos planos mexer na estabilidade dos servidores.

Além disso, o plano é que as mudanças nas carreiras valham apenas para novos servidores, sem atingir os atuais.

Reajuste salarial para o funcionalismo

Em outra frente, a ideia é conceder reajuste salarial já no próximo ano e também abrir mesas de negociações com as categorias.

O ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles — que foi responsável pela implementação do teto de gastos, em 2016, e é um dos cotados para compor a equipe econômica de Lula — aposta na reforma administrativa como importante para abrir espaço fiscal que permita a Lula implantar as medidas que defende.

O atual governo deve deixar um rombo fiscal para 2023, por conta dos benefícios concedidos pelo governo Bolsonaro nos últimos meses, na busca pela reeleição.

A reforma proposta pelo PT, no entanto, deve ser diferente daquela já sugerida pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes — a PEC 32/2020 — que está parada há dois anos no Congresso Nacional e é duramente criticada pelos servidores públicos.

Fonte: Editado de Jornal Extra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.