Entidades mobilizam ato contra o Auxílio Moradia no dia 22/03 em Brasília

0
314
banner (1)

A Federação Nacional dos Servidores dos Ministérios Públicos Estaduais (FENAMP), a Associação Nacional dos Servidores do Ministério Público (Ansemp), a Federação dos Trabalhadores no Judiciário Federal (FENAJUFE) e a Federação Nacional dos Trabalhadores no Judiciário dos Estados (FENAJUD) estão organizando um ato para acompanhar o julgamento das Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADI) que questionam o auxílio moradia para magistrados e membros do Ministério Público. Uma das ações tem como autora a ANSEMP. O ato contará também com a presença de representantes do Movimento Resistência Popular, que luta por moradia no Distrito Federal. Os manifestantes se concentrarão a partir do meio dia, em frente ao Supremo Tribunal Federal.

Durante o ato, as entidades levarão alimentos, no valor de R$ 4.377,00 reais, para serem doados ao movimento de luta pela moradia da Capital Federal. A ideia é mostrar a quantidade de alimento que é possível comprar com o valor do auxílio moradia recebido por juízes e desembargadores e membros do MP. São recursos que poderiam beneficiar milhares de famílias no Brasil inteiro, que lutam por moradia digna e por melhores condições de vida.

O Auxílio moradia a membros é injustificável

Para a Federação, a matéria foi regulamentada de forma tão abrangente que retirou do benefício seu caráter indenizatório, transformando-o em nítido complemento salarial. Assinala ainda que, além da abrangência, o valor fixado para o benefício desvirtua sua característica indenizatória, pois toma como base o valor que seria pago aos ministros do STF e não a realidade de cada unidade da federação.

Aponta também que a forma de pagamento do auxílio-moradia do modo como foi regulamentado pelo CNMP representa violação da regra do subsídio. “São muitas notícias divulgando que o benefício se justifica por ausência de reposição salarial, em razão disso, o auxílio-moradia, disfarçado de remuneração, viola a constituição federal, quando ela determina o pagamento de remuneração dos membros do MP em parcela única, ou seja, regra do subsídio”, afirma Alberto Ledur, Coordenador Executivo da FENAMP. Muitas entidades estaduais denunciaram o pagamento dessa verba durante os últimos anos, “motivo pelo qual este momento representa um marco muito importante”, comenta Ledur.

Para a FENAMP, a luta de todos os servidores do país, incluindo membros da Magistratura e do Ministério Público, deveria se centrar no cumprimento dos dispositivos constitucionais que asseguram o direito a reposição salarial de vencimentos e subsídios.
Dessa forma, a ANSEMP sustenta em sua ADI que o auxílio-moradia em tais parâmetros afronta os princípios constitucionais da legalidade, da igualdade, da eficiência, da finalidade e da moralidade.
De acordo com a ONG Contas Abertas, a estimativa de gastos com o auxílio-moradia no Judiciário e Ministério Público soma R$ 5 bilhões desde 2014, quando o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, concedeu liminar permitindo que magistrados que tenham imóvel no local onde atuam recebam o benefício, até dezembro de 2017.

SERVIÇO
O QUE: Ato contra o Auxílio Moradia para Magistrados e Membros do Ministério Público
Quando: 22/03/2018, a partir das 12h
Onde: Em frente ao STF

Contatos para entrevista

Alberto Ledur FENAMP (61) 981040413

Márcio Gleyson ANSEMP (62) 999189401

Saulo Arcangeli FENAJUFE (98) 988474701

Alexandre Santos FENAJUD (84) 999848580

COMPARTILHAR
Artigo anteriorNota Pública da Fenamp
Próximo artigoNOTA OFICIAL