CSP-Conlutas – Mulheres tomam as ruas em todo país, dizem basta ao feminicídio, ao governo de Bolsonaro e exigem direitos

-

Um basta ao feminicídio crescente, à violência doméstica e aos ataques aos direitos e às liberdades democráticas que vêm sendo feitos pelo governo de Bolsonaro-Mourão. Esse foi o tom das manifestações do 8 de Março, Dia Internacional de Luta das Mulheres, realizadas no último final de semana.

Em SP, chuva não desanimou manifestantes, que tomaram a Av. Paulista

“Em casa, na rua, no trabalho e no transporte: exigimos respeito! Basta de violência”. “Marielle, presente. O assassino dela é amigo do presidente!”. “Contra a opressão, fora Bolsonaro e Mourão”. “Quem é cristão não apoia a ditadura, Bolsonaro não é cristão coisa nenhuma”. “Ditadura nunca mais!”. “Cadê o homem que engravidou? Por que a culpa é da mulher que abortou?”. Em cartazes, faixas, bandeiras e discursos, estas e outras palavras de ordem se repetiram nos protestos, para denunciar a violência machista, a opressão capitalista e os governos.

Foram registrados atos em todas as capitais e em diversas cidades, de norte a sul do país. Ainda na sexta-feira (6), assembleias e panfletagens nos locais de trabalho reforçaram a importância e as bandeiras de luta da data. Alguns atos foram realizados no dia 6/3, como em Vitória (ES) e São José dos Campos (SP). Outros no dia 7/3, como em Juiz de Fora (MG), Feira de Santana (BA), Teresina (PI), Castanahal, Marituba e Altamira (PA). A maioria aconteceu no domingo (8) e alguns ainda acontecem nesta segunda-feira (9), como no Rio de Janeiro, Natal (RN) e Porto Alegre (RS).

Na capital paulista, que aconteceu no próprio dia 8, nem mesmo a forte chuva atrapalhou o ânimo dos mais de dez mil manifestantes que tomaram a Avenida Paulista e em seguida a rua Augusta desde a Paulista até o centro da cidade. A diversidade de movimentos, organizações, entidades chamou atenção combinada à disposição e animação nas fanfarras, nas palavras de ordem e criatividade.

A presença de povos indígenas do Pico do Jaraguá (SP) marcou um trabalho que a Central vem desenvolvendo junto a esses povos, que sobrevivem sob intensa resistência contra os ataques a suas vidas e ao meio ambiente na região.

A política misógina, racista, lgbtfóbica e contrária aos direitos de indígenas e quilombolas, marcas do governo de ultradireita de Bolsonaro, foi repudiada fortemente pelas manifestantes. Que também denunciaram a política de destruição dos serviços públicos, as privatizações, retiradas de direitos e falta de políticas em defesa da vida das mulheres.

Mas além de Bolsonaro, foram alvo de críticas e denúncias os governos estaduais e municipais que também estão aplicando políticas contrárias às mulheres e setores oprimidos. Em Minas Gerais, por exemplo, o governador Romeu Zema (Novo) e o prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PSD) foram duramente denunciados por suas políticas neoliberais que estão atacando duramente servidores públicos e trabalhadores da Educação que, inclusive, estão em greve há cerca de um mês.

Outras duas pautas presentes nos movimentos de mulheres, a defesa da legalização do aborto e os pedidos de justiça para o assassinato de Marielle e Anderson também marcaram atos pelo país.

As manifestações do 8 de Março, mais uma vez, demonstram a força das mulheres trabalhadoras, que tem estado à frente das lutas contra os planos de ajustes capitalistas, a violência e por direitos em todo o mundo. Foi uma importante alavanca para o que vem por aí.

CONFIRA O PANORAMA DA LUTA DO 8 DE MARÇO NO MUNDO:

A data abre o calendário de mobilizações neste mês de março, que estão sendo convocadas pelas centrais sindicais, entidades e movimentos sociais e populares do país contra os ataques do governo e em defesa das liberdades democráticas.

Dia 14 de março, quando se completam dois anos da bárbara execução da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, vamos tomar as ruas novamente por justiça e punição aos assassinos e mandantes. Já no dia 18 de março, dia de greve nacional dos servidores públicos e trabalhadores da Educação, realizaremos um Dia Nacional de Lutas, Protestos e Paralisações em todo o país.

Últimas

PDT se posiciona contra a Reforma Administrativa de Bolsonaro e Guedes

O site O Cafezinho divulgou, na terça-feira (20), que a cúpula nacional do PDT decidiu que suas...

Reforma Administrativa: Pressão sobre parlamentares indecisos e com ressalvas à PEC 32/2020 poderá definir futuro do serviço público no país

A FENAMP analisou o relatório acerca do posicionamento de senadores e deputados federais em relação à Reforma...

FENAMP participará de Plenária Nacional de servidores públicos no sábado (24): objetivo é construir Dia Nacional de Luta Contra a Reforma Administrativa

FENAMP participará de Plenária Nacional de servidores públicos no sábado (24): : objetivo é construir Dia Nacional de Luta Contra a Reforma Administrativa.

Clube FENAMP oferece até 35% de desconto em medicamentos nas farmácias Droga Raia e Drogasil

O Clube FENAMP fechou uma nova parceria, que irá propiciar muito mais benefícios e comodidade para as...

Mais Lidas

- Advertisement -

Você tambám vai se interessarRelacionado
Para você