MG – Reforma Administrativa pode por fim à carreira dos servidores públicos

Proposta impõe retrocessos também aos servidores estaduais. Categoria deve cobrar os deputados federais de Minas

BRASÍLIA – A proposta de reforma administrativa que será enviada pelo governo ao Congresso vai atacar a concessão dos chamados “penduricalhos” e deve acabar com o reajuste de salários retroativos, uma prática ainda comum no serviço público brasileiro.

A proposta atingirá as regras dos servidores da União, dos Estados e dos municípios. Na lista dos penduricalhos que serão proibidos estão as promoções e progressões exclusivamente por tempo de serviço.

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição. Hoje, quando algum servidor público comete uma infração disciplinar, recebe uma “aposentadoria compulsória”, com vencimentos proporcionais. Com a reforma, o servidor será desligado sem remuneração. A medida é considerada moralizante pela equipe econômica.

Penduricalhos são auxílios ou vantagens que acabam turbinando os salários dos servidores. Alguns desses penduricalhos já não existem mais no serviço público federal, mas muitos permanecem, sobretudo nos Estados e nas grandes capitais, pressionando gastos não só com servidores ativos, mas também com aposentados. Há locais no Brasil em que servidores fazem uma espécie de “rodízio” nos cargos de comissão para poderem ter um valor maior a incorporar na aposentadoria.

Pelos dados do Ministério da Economia, 11 Estados já gastam com pessoal mais que o limite de 60% da Receita Corrente Líquida (RCL) permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

O governo mira, com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), o que considera como “excessos” de vantagens que beneficiam carreiras de servidores. A PEC também vai uniformizar férias de 30 dias para todos os servidores públicos brasileiros. Não estão incluídos na reforma juízes, procuradores e parlamentares. Eles vão ficar fora do alcance das medidas da reforma administrativa num primeiro momento. Só o Parlamento pode disciplinar mudanças para essas categorias.

Com a proposta de reforma administrativa do governo, os concursos deixam de ser a porta de entrada definitiva para o serviço público. Quem passar em concurso só será efetivado como servidor público depois de um período trabalhando. Nessa fase, ele será avaliado para a aptidão ao cargo. O prazo para avaliação ainda está sendo definido entre dois e três anos. Nada muda na prova técnica do concurso.

Hoje, quem passa no concurso e se torna servidor efetivo faz antes um estágio probatório, no qual apenas 0,2% são desligados. Os demais 99,8% dos servidores que fazem o atual estágio probatório permanecem como servidor.

Para a área econômica, esse ponto é central na reforma administrativa e constará na PEC. O diagnóstico é que há servidores que passam na prova técnica, mas não estão aptos para o cargo.

O governo decidiu enviar a proposta de reforma em fases. Além da PEC, haverá projetos de leis e decretos. As mudanças nas carreiras e salários iniciais não devem fazer parte da PEC.

O secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, já antecipou, em entrevista recente, que a PEC será enviada em fevereiro. Ele tem dito que a expectativa do governo é que todas as normas sejam aprovadas e implementadas até 2022.

No ano passado, o presidente Jair Bolsonaro adiou o envio da proposta, pedindo um texto mais “suave”. O presidente determinou três pontos centrais que não poderão estar no texto: quebra da estabilidade, alteração dos vencimentos ou mudança nas vagas que existem para os servidores atuais. Ou seja, não haverá proposta de demissão para os servidores que trabalham hoje. Porém, o governo vai propor a restrição da estabilidade dos novos servidores.

O governo fez estudos comparativos com os modelos adotados em países como Reino Unido, Estados Unidos, México, Canadá Portugal, Austrália e Colômbia. O governo considera que existe uma janela de oportunidade para melhorar a gestão do RH do serviço público nos próximos anos: até 2024, 21% dos servidores vão se aposentar.

“O gasto com pessoal precisará ser contido fortemente na presença do teto de gastos ou mesmo em um cenário de aprovação da chamada PEC Emergencial (proposta no Congresso para conter uma parte das despesas públicas). Daí a urgência de se avançar na agenda da reforma do Estado”, diz o diretor executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, Felipe Salto. A IFI publicou, no fim de 2019, a primeira parte de um estudo sobre a reforma para subsidiar os parlamentares. A segunda parte já está no forno.

Fonte: Estadão

Solicite aos deputados federais por Minas que não aprovem a proposta:

Deputados Federais por Minas – EM EXERCÍCIO

Alessandra Silva – [email protected]

Andre Janones – [email protected]

Aurea Carolina – [email protected].leg.br

Cabo Junio Amaral – [email protected]

Charlles Evangelista – [email protected]

Delegado Marcelo Freitas – [email protected]

Diego Andrade – [email protected]

Dimas Fabiano – [email protected]

Domingos Sávio – [email protected]

Doutor Frederico – [email protected]

Dr. Mário Heringer – [email protected]

Eduardo Barbosa – [email protected]

Emidinho Madeira – [email protected]

Eros Biondini – [email protected]

Euclydes Pettersen – [email protected]

Fabio Ramalho – [email protected]

Franco Cartafina – [email protected]

Fred Costa – [email protected]

Gilberto Abramo – [email protected]

Hercílio Coelho Diniz – [email protected]

Igor Timo – [email protected]

Julio Delgado – [email protected]

Lafayette Andrada – [email protected]

Léo Motta – [email protected]

Leonardo Monteiro – [email protected]

Lincoln Portela – [email protected]

Lucas Gonzalez – [email protected]

Luis Tibé – [email protected]

Marcelo Aro – [email protected]

Margarida Salomão – [email protected]

Mauro Lopes – [email protected]

Misael Varella – [email protected]

Newton Cardoso Jr – [email protected]

Odair Cunha – [email protected]

Padre João – [email protected]

Patrus Ananias – [email protected]

Paulo Abi Ackel – [email protected]

Paulo Guedes – [email protected]

Pinheirinho – [email protected]

Reginaldo Lopes – [email protected]

Rodrigo de Castro – [email protected]

Rogério Correia – [email protected]

Stefano Aguiar – [email protected]

Subtenente Gonzaga – [email protected]

Tiago Mitraud – [email protected]

Vilson da Fetaemg – [email protected]

Weliton Prado – [email protected]

Zé Silva – [email protected]

Zé Vitor – [email protected]