CSP-Conlutas – Associações denunciam projeto do MPES que amplia comissionados no funcionalismo

-

Absurdo!

A Associação Nacional dos Servidores do Ministério Público (ANSEMP) e a Federação Nacional dos Servidores dos Ministérios Públicos Estaduais (FENAMP) repudiam veementemente a tentativa do Ministério Público Estadual do Espírito Santo (MPES), de utilizar o Plano de Cargos e Salários dos Servidores para tentar criar 307 cargos comissionados no órgão.

A mensagem do procurador-geral de Justiça Eder Pontes da Silva, acompanhada de Projeto de Lei com este objetivo, foi encaminhada para a Assembleia Legislativa do Espírito Santo (ALES) no último dia 12 de julho.

O Plano de Cargos e Salários dos Servidores deveria valorizar e incentivar o servidor de carreira, fortalecendo e melhorando a prestação de serviço nos órgãos.

Conforme o Portal da Transparência, existem hoje 205 cargos comissionados, caso sejam criados mais 307 serão 512 cargos comissionados. Hoje são 497 cargos efetivos, mais os 13 criados com o projeto serão 510 servidores efetivos. Ou seja, haverá mais comissionados que efetivos.

Em abril de 2018, a ANSEMP protocolou ação direta de inconstitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a tentativa de criação de cargos comissionados no MPES. Na petição da época, a Associação afirmou que ao criar mais cargos para servidores sem vínculo efetivo com o MPES, o órgão estava induzindo ao “comprometimento da qualidade do serviço público prestado naquele órgão, que, mesmo sendo Instituição permanente renunciou a possibilidade de constituir um quadro permanente de servidores”.

A ANSEMP e a FENAMP se somam a luta dos servidores do MPES contra a criação destes cargos e se compromete a questionar política e juridicamente o projeto em todas as instâncias, sempre em defesa da melhoria do serviço público.

O integrante da ANSEMP Aldo Clemente de Araujo Filho considera ser um total absurdo essa decisão, que, em sua opinião, vai à contramão do que prega a constituição federal. O dirigente ressalta que de acordo com a lei, a entrada no serviço público é mediante concurso, via mais democrática, é só em casos excepcionais é que se daria a criação de cargos comissionados. “O que nós estamos presenciando pelo MP do Espírito Santo é a criação de mais de 300 cargos comissionados que, somados aos já existentes, se igualará ao mesmo número de servidores efetivos. O MP ao invés de cumprir seu papel de ser o guardião da constituição federal e das leis do país está fazendo o contrário”, avaliou.

Últimas

FENAMP participa de reunião com líder Frente Parlamentar Mista da Reforma Administrativa

A FENAMP e a ANSEMP participaram, na quarta-feira (21), de reunião com o líder Frente Parlamentar Mista...

Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público apresenta pedido de suspensão da tramitação da PEC 32/2020

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolou, na noite de quarta-feira (21),...

Em ação com outdoors, SINDSEMP-SE dá visibilidade na luta contra Reforma Administrativa

O SINDSEMP-SE está empenhado na campanha de informação sobre os malefícios da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 32/2020,...

Frente Servir Brasil cobra divulgação de dados que governo federal usou para Reforma Administrativa

Os parlamentares da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolaram, na noite desta quarta-feira (21/10), um mandado de segurança que solicita ao Ministério da Economia abertura de dados que deram suporte à PEC 32/2020, conhecida como a Reforma Administrativa.

Mais Lidas

- Advertisement -

Você tambám vai se interessarRelacionado
Para você