CSP-Conlutas – Sistema de capitalização da Previdência falhou no mundo, demonstra estudo da OIT

-

Uma das principais mudanças pretendidas pelo governo Bolsonaro com a Reforma da Previdência, a criação do chamado regime de capitalização, é um verdadeiro desastre social para os trabalhadores. Um estudo da OIT (Organização Internacional do Trabalho) revela que entre 30 países que adotaram esse modelo, entre os anos de 1981 e 2014, 18 revisaram total ou parcialmente a mudança.

No Chile, capitalização levou a empobrecimento recorde de idosos e sistema é alvo de protestos

O estudo “Revertendo as Privatizações da Previdência – Reconstruindo os sistemas públicos na Europa Oriental e América Latina” afirma que “o experimento da privatização fracassou” (acesse resumo do estudo, em português, elaborado pelo escritório da OIT no Brasil).

A pesquisa traz dados de 14 países latinos, indicando a realidade de economias similares à brasileira, mas também aborda países europeus e africanos. Dentro dos 30 países analisados pela OIT, estão: América Latina – Chile (primeiro a privatizar, em 1981), Peru (1993), Argentina e Colômbia (1994), Uruguai (1996), Estado Plurinacional da Bolívia, México e República Bolivariana da Venezuela (1997), El Salvador (1998), Nicarágua (2000), Costa Rica e Equador (2001), República Dominicana (2003) e Panamá (2008); Outros quatorze são do leste europeu e da antiga União Soviética – Hungria e Cazaquistão (1998), Croácia e Polônia (1999), Letônia (2001), Bulgária, Estônia e Federação Russa (2002), Lituânia e Romênia (2004), Eslováquia (2005), Macedónia (2006), República Checa (2013) e Armênia (2014); e mais dois países da África – Nigéria (2004) e Gana (2010).

O atual sistema de repartição que rege a Previdência no Brasil é social e público. Trabalhadores, governo e empresas participam e a contribuição de uma geração garante a aposentadoria da outra, numa garantia de que os trabalhadores ao se aposentarem terão garantido seu benefício.

No sistema de capitalização, ao contrário, o trabalhador passa a pagar uma espécie de poupança individual para bancos e fundos de pensão privados. Nem empresa, nem governos pagam, e não há garantia de pagamento de um benefício mínimo. O dinheiro do trabalhador passa a ser utilizado pelos bancos e fundos de pensão para especulação.

A privatização dos sistemas de aposentadorias e pensões foi apresentada como uma solução para enfrentar o envelhecimento da população e garantir a sustentabilidade dos sistemas de previdência. No entanto, a privatização da previdência não produziu os resultados esperados na prática.

A conclusão é de que a experiência fracassou de modo geral, tendo impulsionado as desigualdades, estagnado ou diminuído a abrangência dos sistemas de aposentadorias, prejudicando especialmente a população mais pobre.

Sistema injusto e falho

O estudo lista as nefastas consequências da criação do regime de capitalização para substituir o de repartição:

1 – As taxas de cobertura estagnaram ou diminuíram. Ao contrário de maior rentabilidade, demonstra o estudo, as taxas reduziram. Na Argentina, a queda foi de mais de 20%

2 – As prestações previdenciárias se deterioraram. Na Bolívia, as pensões privadas correspondem em média a apenas 20% do salário médio durante a vida ativa do trabalhador. No Chile, a média das taxas é de 15% e de apenas 3,8% para os trabalhadores de baixa renda. A deterioração do nível das prestações sociais resultou em aumento da pobreza na velhice. Há estudos que mostram, inclusive, que aumentou a taxa de suicídios entre idosos.

3 – Aumentou a desigualdade de gênero e de renda. Mulheres e mais pobres são os mais penalizados. Na Bolívia, por exemplo, a proporção de mulheres idosas que recebem uma aposentadoria caiu de 23,7 %, em 1995, para 12,8%, em 2007; na Polônia, a proporção das mulheres em risco da pobreza atingiu um recorde histórico de 22,5% em 2014.

4- Os altos custos de transição criaram pressões fiscais enormes. Ou seja, os custos para mudar de um sistema para outro aumentaram o déficit público. Mais do que isso, a capitalização ameaça a situação de quem, inclusive, já é aposentado, pois com o fim de contribuições na Previdência pública, vai faltar dinheiro para pagar os atuais benefícios.

5 – Custos administrativos elevados. Bancos e fundos cobram taxas administrativas. Como explicou Maria Lúcia Fatorelli, da Auditoria Cidadã da Dívida, “a pessoa que coloca lá R$ 1 mil não vai ter R$ 1 mil na conta. Esse valor vai ser investido. Se a aplicação der errado, esses R$ 1 mil podem virar R$ 500 ou até R$ 0. Mas, mesmo que vire R$ 0, essa pessoa da conta individual vai ter que pagar a taxa de administração para a instituição financeira que administra esse conjunto de contas. Então, é uma perda brutal para a classe trabalhadora e o único setor que ganha é o setor financeiro”.

6 – Regulação e supervisão fracas. O governo não consegue supervisionar e regular os bancos e fundos privados que pelo poder econômico fazem o que querem. É a velha relação dos políticos com empresas privadas, sempre agindo em seu favor.

7 – Concentração. Ao contrário de gerar concorrência, as experiências nos países relevam o contrário. As aposentadorias privadas ficam na mão de um reduzido número de fundos de pensão, a maioria internacionais. O número de administradores chilenos de fundos privados de previdência (as chamadas AFPs) caiu de 21, em 1994, para 5 em 2008, com as três maiores empresas detendo 86% dos ativos.

O estudo segue detalhando os inúmeros problemas desse sistema (acesse aqui um resumo em português). Mas, em resumo, as experiências demonstram que de fato esse tipo de regime é um fracasso, que simplesmente acaba com a Previdência social e pública para garantir lucros para o setor financeiro, às custas do aumento da miséria dos trabalhadores e da população pobre.

A Reforma da Previdência do governo Bolsonaro significa o “lucro acima de tudo, os banqueiros acima de todos”. É preciso derrotar essa reforma que traz medidas que acabam com a Previdência pública, o que vai impedir o direito à aposentadoria e acabar com os direitos previdenciários, como auxílio-doença, licença-maternidade, auxílios sociais, etc.

É preciso construir a Greve Geral!

Com informações Diap

Últimas

FENAMP participa de reunião com líder Frente Parlamentar Mista da Reforma Administrativa

A FENAMP e a ANSEMP participaram, na quarta-feira (21), de reunião com o líder Frente Parlamentar Mista...

Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público apresenta pedido de suspensão da tramitação da PEC 32/2020

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolou, na noite de quarta-feira (21),...

Em ação com outdoors, SINDSEMP-SE dá visibilidade na luta contra Reforma Administrativa

O SINDSEMP-SE está empenhado na campanha de informação sobre os malefícios da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 32/2020,...

Frente Servir Brasil cobra divulgação de dados que governo federal usou para Reforma Administrativa

Os parlamentares da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolaram, na noite desta quarta-feira (21/10), um mandado de segurança que solicita ao Ministério da Economia abertura de dados que deram suporte à PEC 32/2020, conhecida como a Reforma Administrativa.

Mais Lidas

- Advertisement -

Você tambám vai se interessarRelacionado
Para você