1º Congresso da FENAMP debate questões importantes para a categoria

-

Nos dias 14 e 15 de março, durante o Fórum Social Mundial, no Campus Ondina da Universidade Federal da Bahia, em Salvador, ocorreu o 1.º Congresso Extraordinário da FENAMP. As principais pautas deste encontro foram a definição da filiação à Central Sindical e Confederação, modificações na composição da coordenação, apresentação dos relatórios de gestão, financeiro e o plano de lutas para 2018.

A disposição das administrações dos MP estaduais em substituir servidores efetivos por estagiários e cargos comissionados e como fazer frente a isso em cada estado além da continuidade e a ampliação do apoio a campanhas contra o assédio, tanto moral quanto sexual dentro do MP também teve grande destaque. O SISEMPPA (Sindicato dos Servidores do MP do Estado do Pará) por meio de seu presidente, Roberto Carlos Soares Figueiredo, relatou o gravíssimo caso de assédio sexual e moral contra 4 servidoras (efetivas e comissionadas), por parte de um membro deste estado. A federação expediu ofício para a Corregedoria do Conselho Nacional do Ministério Público, requerendo rigor e celeridade na apuração das responsabilidades (Of. Nº 001.2018 – FENAMP (1)). Também foi tratada a importância de se dissociar a imagem dos servidores à dos membros do MP, já que a mídia frequentemente confunde servidores com membros em suas críticas, principalmente aos penduricalhos.

O coordenador executivo, Alberto Ledur, fez um balanço organizativo, citando os avanços da Federação. Destacou a capacidade de organização em diversos estados em um tempo tão curto, desde a sua criação e a regularização da FENAMP junto ao Ministério Público do Trabalho, além do auxílio da instituição aos sindicatos estaduais a buscarem o mesmo. Lembrou também das lutas que a entidade travou ao lado dos trabalhadores, como o PL 257, que pretendia repactuar as dívidas dos estados, por exemplo.

Durante o primeiro dia do Congresso, diversas Centrais Sindicais e duas Confederações se apresentaram à Federação, apresentando suas características. Como foco central do discurso, a grande maioria tratou sobre a Reforma da Previdência como um perigo iminente, reforçando que no momento atual de crise, que vive o país, os ataques aos direitos sociais e trabalhistas estão cada vez mais duros. Apresentaram-se: Central Única dos Trabalhadores (CUT); Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas); Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST); Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB); Intersindical e Pública. Das confederações apresentaram-se Confederação Nacional das Carreiras Típicas de Estado (CONACATE) e Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB). A filiação a Central Sindical foi aprovada pela maioria, em votação no segundo dia, tendo sido escolhida a CSP-Conlutas. A filiação à confederação foi rejeitada.

Ainda durante as deliberações foi aprovado o Plano de Lutas 2018, aprovada a proposta de alteração estatutária que previa a ampliação da Coordenação Executiva com a inclusão de um coordenador por cada estado. Foi deliberado e aprovado que o Congresso de 2019 acontecerá, em Brasília.

Mesa sobre ativismo judicial

Na sexta-feira (16), o professor e desembargador, Lédio Rosa de Andrade, ministrou uma mesa sobre ativismo judicial. Segundo Andrade, o ativismo judicial, em sua origem, surge como instrumento de materialização da justiça social e eficácia dos direitos humanos fundamentais ante a omissão do Estado, ou dos poderes que o compõe. A discussão sobre ativismo judicial é importante, pois mostra onde o jurista pode usar seu poder, “tanto para desenvolver políticas jurídicas em prol da justiça social e da população, como usar todo seu arsenal de trabalho para destruir instituições democráticas, e inclusive encaminhar o país para práticas fascistas”, comenta o professor.

Presente na mesa, Gilmar Rodrigues, presidente do SIMPE-SC, comenta a essência do ativismo na sua origem, da busca pela justiça social e causas humanitárias. Numa leitura do cenário atual lamenta que “infelizmente, o ativismo judicial que vemos hoje segue uma lógica contrária, a da busca pela individualização”.

Últimas

FENAMP participa de reunião com líder Frente Parlamentar Mista da Reforma Administrativa

A FENAMP e a ANSEMP participaram, na quarta-feira (21), de reunião com o líder Frente Parlamentar Mista...

Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público apresenta pedido de suspensão da tramitação da PEC 32/2020

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolou, na noite de quarta-feira (21),...

Em ação com outdoors, SINDSEMP-SE dá visibilidade na luta contra Reforma Administrativa

O SINDSEMP-SE está empenhado na campanha de informação sobre os malefícios da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 32/2020,...

Frente Servir Brasil cobra divulgação de dados que governo federal usou para Reforma Administrativa

Os parlamentares da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolaram, na noite desta quarta-feira (21/10), um mandado de segurança que solicita ao Ministério da Economia abertura de dados que deram suporte à PEC 32/2020, conhecida como a Reforma Administrativa.

Mais Lidas

- Advertisement -

Você tambám vai se interessarRelacionado
Para você