Às ruas do Brasil e de Brasília para barrar a Reforma da Previdência.

-

Contra a reforma da previdência, dia 19/02, todos às ruas! E de 26/02 a 01/03, todos a Brasília para barrar a votação!

A FENAMP e a ANSEMP convocam suas bases para intensificar a luta contra a reforma da previdência participando das mobilizações pelo Brasil e em Brasília.

Dia 19/02, integrar a luta das centrais sindicais em todos os Estados. E de 26/02 a 01/03, ocupar Brasília e o Congresso Nacional, com a presença de trabalhadores e dirigentes das entidades de base, sindicatos e associações. É pressão total sobre os parlamentares. É fundamental a participação dos trabalhadores dos Ministérios Públicos e dirigentes da FENAMP, da ANSEMP e sindicatos no dia de votação.

Os servidores dos Ministérios Públicos estaduais, assim como todas as demais categorias, sejam do setor público ou privado, serão fortemente atingidas pela reforma da previdência, que está na pauta de votações na Câmara dos Deputados entre os dias 26 de fevereiro e 1º de março.

Apesar da proposta aglutinativa (veja aqui) a ser votada ter sido modificada em relação à primeira proposta, apresentada em 2016, poucas coisas foram alteradas e algumas, ainda, foram pioradas. Portanto, não há alternativa a não ser garantir a retirada da pauta da proposta. Mas isso só será possível, com forte pressão dos servidores e demais categorias em Brasília, especialmente junto aos parlamentares.

Neste sentido, é fundamental que os dirigentes da base da FENAMP e da ANSEMP estejam presentes em Brasília entre os dias 26 de fevereiro e 1º de março. Lembramos que a reforma da previdência só não foi votada até o momento pela forte pressão dos trabalhadores e temos que garantir que ela não seja aprovada nestes dias.
Ainda que o governo sinalize que não tem os 308 votos necessários, as movimentações apontam para um esforço grande de negociação para tentar chegar a esse número, realidade ainda distante de “jogar a toalha”, como algumas matérias chegaram a sugerir essa semana.

Conseguimos impedir a votação até agora, o que evidencia que podemos vencer e derrotar o confisco de nossa aposentadoria. Mas não podemos dar o jogo por jogado e “baixar a guarda”. A pressão de Temer sobre Congresso tende a aumentar muito ainda, com todo tipo de negociação. Esta é uma disputa que está em aberto e irá muita mobilização de parte de todas as categorias de trabalhadores. O governo inclusive fez algumas alterações, com concessões a viúvas de policiais que morrerem em serviço, na tentativa de agradar a bancada da bala, o que lhe garantia cerca de 23 votos. Portanto, a hora é de intensificarmos nossa luta e a pressão sobre os deputados.

Atividades que já estão acontecendo em Brasília têm dado o recado aos parlamentares: “quem votar, não volta!”. Mas no dia da votação da reforma da previdência, temos o grande desafio e a responsabilidade de construir um dia de luta de amplitude nacional que possa, novamente, mostrar que trabalhadores não aceitarão que os corruptos roubem nossa aposentadoria.
Neste sentido, o coordenador da FENAMP, Daniel Pierrelevée, destaca que a emenda aglutinativa apresenta quatro itens para alteração, mas os itens da regra de transição para servidores, segundo informações obtidas pelos dirigentes, serão discutidas em plenário, condicionada a conquista de votos suficientes para aprovar a reforma.

O diretor da ANSEMP, Francisco Antônio Távora Colares, também destaca a importância da participação dos dirigentes de base das entidades em Brasília. Segundo ele, o texto da emenda já está nas mãos das assessorias jurídica e parlamentar para avaliação, mas o núcleo da reforma da previdência continua, com prejuízos aos servidores e a todos os trabalhadores. Colares alerta que é preciso manter a estratégia de militância, de luta e de combate à reforma e por isso, a FENAMP e a ANSEMP estão convocando suas bases para estarem presentes em Brasília, mantendo a mobilização e a pressão para retirar a proposta da pauta. “Um descuido no processo de mobilização poderá permitir a aprovação da reforma”, alerta ele.

Artigo anteriorFENAMP convoca congresso Extraordinário
Próximo artigoNOTA

Últimas

MT – MPE revoga demissão de ex-sindicalista que foi exonerado na gestão de Prado

O Ministério Público Estadual (MPE) revogou a demissão do servidor João Guilherme de Oliveira Vicente Ferreira, ex-presidente do Sindicato dos Servidores do Ministério Público do Estado de Mato Grosso (Sindsemp-MT). Ferreira havia sido demitido por se ausentar do cargo por um ano supostamente sem autorização administrativa da Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ), enquanto tinha atuação sindical.

Nota de Repúdio — Aprovação da PEC 186/19

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) repudia a iniciativa do governo federal de acelerar a articulação no Congresso Nacional visando à aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 186/19. A PEC 186/19 institui mecanismos de ajustes fiscais para reduzir gastos públicos, incluindo a redução de jornada de trabalho e…

RJ – Presidente da Assemperj e membros do FOSPERJ são nomeados para o Conselho Fiscal do RIOPREVIDÊNCIA

O governador em exercício do Estado do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, publicou um decreto no Diário Oficial de ontem (13/01/21), nomeando os membros do Conselho Fiscal do Fundo Único de Previdência Social – RIOPREVIDÊNCIA.

Não incide contribuição social sobre o terço constitucional de férias para os servidores públicos

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal julgou o recurso extraordinário nº 1.072.485, da relatoria do Ministro Marco Aurélio, que gerou o tema de repercussão geral nº 985, ementado como: "É legítima a incidência de contribuição social sobre o valor satisfeito a título de terço constitucional de férias.

Mais Lidas

Você tambám vai se interessarRelacionado
Para você