Carta de Goiânia defende democratização do Ministério Público

-

Depois de intensos debates e trabalhos durante a Plenária do Fórum dos Trabalhadores do MP Brasileiro (FórumMP), realizado no último dia 16, dentro da programação do IV Encontro Nacional dos Trabalhadores do Ministério Público Brasileiro, representações dos servidores do MP de praticamente todos os estados do País aprovaram ao final do evento, a Carta de Goiânia. No documento, defendem, entre outras questões, a democratização do Ministério Público como premissa fundamental para o atendimento de suas funções.

De acordo com o Presidente da Associação dos Servidores do MPRJ, Flávio Sueth Nunes, desde 1988 o Ministério Público ganhou uma nova feição, com o papel de defender a Constituição e a cidadania. “Depois de tantos anos se percebe que o processo de integração entre servidores é fundamental para esta tarefa. Estamos conseguindo fazer o diálogo com todos os setores, a partir do entendimento de que o MP é composto por membros e servidores e que estes últimos têm um papel decisivo nesta luta”, ponderou.

Para o dirigente, esta interação é necessária à formulação de propostas de melhorias e para oxigenar a Instituição, de forma a que ela cumpra sua missão constitucional. “Nossa avaliação foi de que a Instituição ainda é muito fechada e é importante trabalharmos cada vez mais para que ele (o MP), consiga se oxigenar e debater com servidores e com a sociedade a sua atuação”.

Flávio lembrou que o País passa por um momento de caos político, econômico e social e que, neste momento, é importante que o Ministério Público tenha uma atuação garantidora da Constituição. “Por isso, é fundamental que ele se renove, consiga entender as demandas sociais, atue junte à sociedade, e isso não acontece sem o servidor”, acrescentou.

A Carta de Goiânia, elaborada ao final do encontro, faz uma análise política da conjuntura no País e de como o MP deve se portar em relação a isso. “Estamos vivendo um ataque geral aos direitos dos trabalhadores e da população e o MP tem que ter atuação firme para garantir estes direitos. Se ele não atuar agora e não se abrir para esta necessária democratização, acabará, como consequência, por sofrer um processo de deslegitimação”, finalizou.

Veja a Carta de Goiânia na íntegra

[pdf-embedder url=”https://fenamp.org.br/site/wp-content/uploads/2017/11/I-Carta-de-Goiania.pdf”]

Assessoria de Comunicação

22/11/2017 16:16:26

Últimas

FENAMP participa de reunião com líder Frente Parlamentar Mista da Reforma Administrativa

A FENAMP e a ANSEMP participaram, na quarta-feira (21), de reunião com o líder Frente Parlamentar Mista...

Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público apresenta pedido de suspensão da tramitação da PEC 32/2020

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolou, na noite de quarta-feira (21),...

Em ação com outdoors, SINDSEMP-SE dá visibilidade na luta contra Reforma Administrativa

O SINDSEMP-SE está empenhado na campanha de informação sobre os malefícios da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 32/2020,...

Frente Servir Brasil cobra divulgação de dados que governo federal usou para Reforma Administrativa

Os parlamentares da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolaram, na noite desta quarta-feira (21/10), um mandado de segurança que solicita ao Ministério da Economia abertura de dados que deram suporte à PEC 32/2020, conhecida como a Reforma Administrativa.

Mais Lidas

- Advertisement -

Você tambám vai se interessarRelacionado
Para você