Audiência de conciliação soluciona impasse sobre número de servidores no MP/PB

-

Coordenador Executivo da FENAMP participou da mediação organizada pelo CNMP

O conselheiro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Sérgio Ricardo de Souza presidiu, nessa quarta-feira, 14 de setembro, uma audiência de conciliação para tratar da situação de desproporcionalidade no número de servidores requisitados e comissionados, em prejuízo da nomeação de candidatos aprovados em concurso, no Ministério Público do Estado da Paraíba (MP/PB). A audiência resultou na assinatura de um termo de acordo composto por seis itens.

A audiência foi realizada para tratar do assunto referente ao Procedimento de Controle Administrativo (PCA) nº 1.00596/2016-95. Este PCA teve como requerente a Ordem dos Advogados do Brasil Seccional no Estado da Paraíba (OAB/PB), que alegou que o MP/PB vinha mantendo servidores cedidos e provendo cargos comissionados de forma irregular, preterindo os candidatos aprovados em concurso homologado em dezembro de 2015.

De acordo com o termo assinado, o MP/PB deverá tomar as seguintes providências:

1) nomear os candidatos aprovados no concurso em questão, na forma e nos prazos do cronograma apresentado pelo requerido;

2) devolver os servidores requisitados que se encontram em situação irregular, em até seis anos, sendo no mínimo devolvidos vinte servidores por semestre, a partir de 1º de janeiro de 2017;

3) não fazer novas requisições de servidores de forma irregular;

4) ampliar a nomeação dos candidatos aprovados, em caso de vacância de cargos relativos a servidores efetivos, dentro da realidade orçamentária e financeira do órgão e antecipar as nomeações em caso de aumento real da receita corrente líquida destinada ao órgão (duodécimo);

5) poderá, a critério da administração, substituir uma parcela dos servidores requisitados irregularmente por estagiários regularmente contratados;

6) não criar cargos comissionados, que gerem aumento real de despesa, antes do cumprimento do disposto nos itens anteriores.

Sérgio Ricardo de Souza decidiu que submeterá o termo de acordo à homologação do Plenário do CNMP, com a consequente extinção do PCA nº 1.00596/2016-95 e perda dos efeitos da liminar concedida nos autos.

A intenção é levar o termo de acordo ao Plenário do CNMP, na condição de item extrapauta, na 18ª Sessão Ordinária de 2016, a ser realizada em 27 de setembro.

Presentes à audiência

Além do conselheiro Sérgio Ricardo de Souza, participaram da audiência Bertrand de Araújo, procurador-geral de Justiça do MP/PB; Francisco Barros, presidente da Associação Paraibana do Ministério Público (APMP); Leonardo Coutinho, diretor jurídico da APMP; Marcos Cesário, diretor administrativo do MP/PB; Ubirajara Lucena, diretor financeiro do MP/PB; Aloysio Junior, coordenador geral da Federação Nacional dos Servidores dos Ministérios Públicos Estaduais; Daniel Guerra, presidente da Associação e do Sindicato dos Servidores do MP/PB; e Tainá de Freitas, advogada representando a OAB/PB.

Foto: Sérgio Almeida (Ascom/CNMP).

Assessoria de Comunicação Social
Conselho Nacional do Ministério Público

Últimas

CNMP lança cartilha sobre saúde mental no Ministério Público

A Comissão da Saúde do Conselho Nacional do Ministério Público (CES/CNMP) lançou, na quarta-feira (02), a versão...

CNMP aprova resolução que institui programa de Assistência à Saúde para membros e servidores

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) aprovou, na 19ª Sessão Ordinária do Plenário, a Resolução que...

Condições de trabalho no serviço público será tema de live da Servir Brasil

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público, a Servir Brasil, vai discutir o tema “Precarizar as condições de trabalho no serviço público? Debatendo a Reforma Administrativa”. A transmissão será nesta quinta (03), às 18h30. Os convidados são a economista e presidente da Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Planejamento e Orçamento (Assecor),…

Estabilidade garante conduta impessoal do servidor e favorece continuidade de políticas públicas do Estado

Na reta final das eleições municipais deste ano, surgiram denúncias de que funcionários comissionados e terceirizados de muitas prefeituras foram obrigados a fazer campanha para determinados candidatos. O uso da máquina administrativa durante disputas eleitorais tem sido frequentemente denunciado ao longo das últimas décadas.

Mais Lidas

Você tambám vai se interessarRelacionado
Para você