SINSEMPECE na defesa do mérito do Concurso Público

-

O Sindicato dos Servidores do Ministério Público do Estado do Ceará (SINSEMPECE) apresentou manifestação contrária a proposta do Procurador-Geral de Justiça do Estado do Ceará, Plácido Barroso Rios, de reduzir de 50% (cinquenta por cento) para 15% (quinze por cento) o percentual de cargos efetivos a serem providos por Servidores efetivos.

O objetivo do projeto é permitir que pessoas estranhas aos quadros efetivos do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) venham prestar serviços à Instituição como comissionados exclusivos, inclusive quando forem criados novos cargos em comissão, como pretende a Associação Cearense do Ministério Público (ACMP), conforme consta em petição pública.

A Constituição Federal, em seu art. 37, inciso V, determina que o legislador infraconstitucional estabeleça percentuais dos cargos de provimento em comissão a serem ocupados por servidores efetivos.

Ao cumprir com o mandamento constitucional, o Estado do Ceará editou a Lei nº. 14.043/2007, estabelecendo o referido percentual em 50% (cinquenta por centos), o que reputamos em conformidade com os parâmetros da razoabilidade.

Ora, o fim embutido no art. 37, V, da CF é o de evitar que pessoas sem vínculo efetivo com o Poder Público – os comissionados exclusivos – venham a assumir cargos em comissão em percentual que supere a quantidade de cargos ocupados por servidores públicos efetivos, em inconteste prejuízo dos princípios da continuidade dos serviços públicos ­- preponderante transitoriedade dos comissionados exclusivos -, da moralidade e do mérito no ingresso no serviço público (concurso público, que constitui regra).

Sabemos que de acordo com a Constituição Federal a regra é o concurso público, sendo os cargos em comissão uma exceção. Assim, entendemos que a proposta em comento fragiliza a regra constitucional do concurso público, ao substituir o mérito de uma seleção pública por critérios subjetivos do administrador público, já que cargo em comissão é de livre nomeação e exoneração.

A proposta em questão constitui retrocesso e caminha na contramão da história porquanto Instituições das mais confiáveis do Brasil possuem percentual de cargos comissionados providos por Servidores efetivos maiores que 15%:

A proposta em questão constitui retrocesso e caminha na contramão da história porquanto Instituições das mais confiáveis do Brasil possuem percentual de cargos comissionados providos por Servidores efetivos maiores que 15%: MPU (MPF, MPT, MPM, MPDFT), Poder Judiciário da União (STF, STJ, TST, TSE, STM, Justiça Federal, Justiça Militar, Justiça Eleitoral, Justiça do Trabalho e Justiça do Distrito Federal e Territórios), Tribunais de Justiça (AC, AL, AP, AM, CE, ES, GO, MA, MT, MS, MG, PA, PB, PR, PE, PI, RJ, RN, RS, RO, RR, SC, SP, SE, TO) todos 50%;Poder Executivo Federal: 75% cargos DAS, níveis 1, 2 e 3; e 50% cargos DAS, nível 4.

O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis.” (art. 127 da CF) Se o MP é Instituição permanente não pode depender de Servidores transitórios, porquanto precisa de um quadro de Servidores Públicos aprovados em concurso.

A proposta em questão viola o artigo 37, caput (princípios da moralidade e da impessoalidade), incisos II (regra do concurso público) e V (objetivo de que os cargos em comissão sejam providos por servidores efetivos em percentuais razoáveis).

Além de inconstitucional a proposta não resolve o problema de carência de Servidores do MPCE.

Reafirmamos nossa confiança de que o egrégio Órgão Especial do Colégio de Procuradores de Justiça do Estado do Ceará (OECPJ) rejeitará a proposta.

Clique aqui para colaborar com essa luta na defesa do concurso público assinando petição pública.

Últimas

FENAMP participa de reunião com líder Frente Parlamentar Mista da Reforma Administrativa

A FENAMP e a ANSEMP participaram, na quarta-feira (21), de reunião com o líder Frente Parlamentar Mista...

Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público apresenta pedido de suspensão da tramitação da PEC 32/2020

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolou, na noite de quarta-feira (21),...

Em ação com outdoors, SINDSEMP-SE dá visibilidade na luta contra Reforma Administrativa

O SINDSEMP-SE está empenhado na campanha de informação sobre os malefícios da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 32/2020,...

Frente Servir Brasil cobra divulgação de dados que governo federal usou para Reforma Administrativa

Os parlamentares da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolaram, na noite desta quarta-feira (21/10), um mandado de segurança que solicita ao Ministério da Economia abertura de dados que deram suporte à PEC 32/2020, conhecida como a Reforma Administrativa.

Mais Lidas

- Advertisement -

Você tambám vai se interessarRelacionado
Para você